4.4.07

Power



Viva-se em democracia, ditadura, república ou monarquia há sempre coisas que nunca mudam. Podem mudar de nome, mas, na essência, nunca mudam. A forma polida como alguns ministros se tratam dentro e fora do Parlamento, a forma agradavelmente subtil como, por exemplo, uma dona Mª Eliza trata o poder e uma certa memória do regime salazarista, os modos como os assessores tratam de defender o seu PM, a forma como o ministro das Finanças defendeu e protegeu públicamente o actual DGCI (Paulo macedo, fazendo supôr que o ministro é que era o ajudante...), o modo obsequioso como Belém e S. Bento se trata, a forma como certo poder oficial anda com uma certa Banca ao colo (esperando por uma nomeação para administrador a ganhar 5 mil cts/mês), os favores que certos jornalistas procuram prestar a certas empresas/organizações para assim capitalizarem créditos para cobrar à posteriori... Tudo isso configura um anseio ardente de todas as pessoas terem poder, porque não o ter é insuportável e gera infelicidade e impotência.

Há dias uma amiga na net me dizia que a sua condição de não dispôr de poder a levava a afastar-se cobardemente das grandes discussões, compensando isso com a criação dum mundo alternativo no qual procura dizer o que lhe vai na alma. Logo, ninguém, quer dispôr de menos poder, todos querem mais e mais poder. [...]
Ver o resto aqui

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home